Foto: Freepik

Por Luciana Maia Campos Machado, superintendente acadêmica da Faculdade FIPECAFI

Sistematicamente, o Banco Central do Brasil (BC) monitora as expectativas do mercado em relação a índices de preços e atividade econômica, divulgando semanalmente – por meio do Relatório Focus -, as projeções de instiuições financeiras sobre o IPCA, Câmbio, Taxa Selic e PIB.

Costuma-se analisar as expectativas de média esperada para os indicadores, tais como o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo, o IPCA. Mas como as projeções divulgadas podem nos proporcionar um olhar sobre a incerteza de mercado? 

O desvio padrão das previsões dos agentes que participam da pesquisa, ou seja, a dispersão das expectativas das instituições financeiras sobre o que deve acontecer com as taxas de inflação nos próximos anos, é uma medida utilizada em estudos recentes nas áreas de economia e finanças. A medida pode nos ajudar a caracterizar momentos de incerteza, períodos de desacordo de mercado em que os investidores “concorda em discordar” (agree to disagree).

O gráfico abaixo apresenta uma série histórica da dispersão (média) de expectativas sobre o IPCA entre 10/09/2012 e 10/09/2021 – última divulgação do relatório FOCUS. 

Na data desta última divulgação, a dispersão média atinge o maior valor da série, chegando ao patamar de 11,35%. Antes disso, a medida mais alta de disacordo, ou incerteza, dos agentes sobre a expectativa de inflação se deu no período em que o mercado passava por grande instabilidade política, em decorrência da possibilidade de impeachment de Dilma Rousseff em 2016.

O momento é de alta inflação e o mercado já se preocupa com a elevação de preços, mas considerações sobre elevação da incerteza econômica também emergem. A incerteza econômica afeta diretamente o sentimento do investidor, refletindo em potencial aumento do custo de captação de recursos para empresas e afastando investidores locais e estrangeiros. Investidores passam a exigir um maior prêmio para investir no país, afinal, incerteza representa risco e mais risco exige compensação.

Contato: [email protected]

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *